Slideshow shadow

Bem vindo a Ayutthaya!

Bem vindo a antiga capital da Tailândia: Ayutthaya!

Considerada patrimônio da Unesco, a cidade tem uma história triste. Atacada pelo birmaneses no século 16, seus templos foram ao chão, estátuas de Budas tiveram a cabeça cortada e a capital transferida para uma cidade a 76 km, Bangkok.

Budas sem cabeça no Templo Wat Chaiwatthanaran

Ir para Ayutthaya é como voltar no tempo e conhecer uma população muito religiosa com templos para todos os lados. A melhor forma de aproveitar a cidade é alugar um taxi (preço fechado) com algum tailandes que fale o mínimo de inglês (e será mínimo mesmo) por que esse é o legal. Ele vai te contar todas as curiosidades, te levar nos melhores templos, vai contar um pouco da religião e da crença deles. Foi realmente um dos pontos altos da viagem.

Ainda pegamos alguns trechos da estrada alagados (11/2011) devido a uma  grande enchente. 

Existem outras formas também de fazer o passeio, você pode ir de trem até Ayutthaya e alugar bicicletas ou tuks tuks para te levar. Só lembre de levar chapéu/boné e muito protetor solar, por que o calor é muito grande!!! ( e confesso que o taxi também foi conveniente por ter ar condicionado entre um templo e outro).

Templo Wat Worachetharan (repare nas oferendas aos pés do Buda)

Aliás uma coisa importante, para você não ficar frustrado, é achar que você vai conhecer todos os templos. Por que não vai. São inumeros e cada um com os seus atrativos.

Wat Yai Chai Mongkol, um dos principais templos de Ayutthaya

Eu tinha selecionado uns 4 que eu não queria perder de jeito nenhum, mas não precisei nem falar, o nosso motorista/guia nos levou para cerca de 15 templos durante o dia (incluindo os que eu fazia questão) e foi perfeito. Ainda tirou fotos, nos contou curiosidades, nos ensinou a fazer uma oferenda e foi um fofo!!! (ele foi indicação do hotel mas desculpa esqueci de pegar o contato dele e sei que você vão me matar, com razão por que ele era muito bom!).

Aprendendo a fazer uma oferenda:

Primeiro coloca-se a flor em um vaso, ascenda o incenso e cole o papelzinho

dourado (mentalizando os seus desejos) na miniatura do Buda deitado

Em um dia conseguimos visitar os seguintes templos:

Wat Chaiwatthanaran – Esse é dos principais templos e sua visita é imperdível. Porém, quando fomos tinha sido grandemente afetado pelas enchentes e era um dos poucos que ainda estava alagado, a travessia teve que ser feita através de um barquinho minúsculo, mas valeu o sacrifício.

Nosso barquinho e a água era super funda (no local é um grande gramado)

Por lá é possível ver todos aqueles budas sem cabeça que os birmaneses atacaram. Realmente é um templo que deixa qualquer um de boca aberta (vide primeira foto do post).

A água tomando conta de onde era um gramado e a entrada do templo

Wat Worachetharan – Apesar de não ser famoso, acho que foi um dos templos que mais gostei. Vale a visita.

Wat Worachetharan

Wat Ratchaburana 

Wat Yai Chai Mongkol – esse foi o primeiro templo que visitamos e considero um dos templos mais legais. É um dos templos que considero importante a visita.

Mergulhe na cultura e faça como os tailandeses: reverencie cada estátua principal de Buda que conhecer

Fileiras e mais fileiras com diversas estátuas de Budas

Wat Phanan Choeng – conheça a imensa estátua de Buda que atravessou séculos.

Wat Lokayasutharam - foi aqui que aprendemos a fazer nossas oferendas aos Budas

Nossas oferendas

Wat Phra Si Saphet

Wat Mahathat – esse é o ponto alto da visita a Ayutthaya e não deixe de colocar no seu roteiro. As imensas ruínas de um dos principais templos da cidade antiga. 

Existem inúmeros budas (muitos conservados como na foto e outros nem tanto), ruínas de inúmeros templos imensos e todos são bem sinalizados com placas informando o que você está vendo e até com um roteirinho para você seguir e não se perder. 

Mas o ponto alto mesmo está na entrada do templo, e volta a ser os budas com as cabeças cortadas e uma cabeça de Buda que, não se sabe como, se encontra envolta nas raízes que uma árvore imensa.

Close – Up: Ponto alto do templo Wat Mahathat

Wat Na Phrameru – esse templo teve grande importância durante a guerra com os Birmaneses, pois foi aqui que a força armada de Burma se instalou e por causa de um acidente acabou atingindo seu próprio rei.

Wat Na Phramane

Wat Phukhao Thong

Phra Chedi Si Suriyothai

Wanglang or The Rear Palace

The Rear Palace a esquerda e o Buda de 6 metros no Wat Na Phrameru

Alguns templos são rápidos de serem visitados e com entrada gratuita, pois se resumem a ruínas de alguns templos pequenos ou estátuas importantes, outros são pagos e demandam um pouco mais de tempo para a visita, pois eram os principais templos da cidade. Infelizmente não sei dizer o preço de cada templo, pois quando fomos a visitação estava sendo gratuita para todos os templos, devido a enchente de 2011 (Ayutthaya foi uma das cidades mais atingidas pela enchente e ficou diversos dias fechada a visitação). 

Importante também ir com um calçado confortável e fácil de tirar, já que em todos os templos é imprescindível que fique descalço para entrar. Além, é lógico, de beber muita água, levar chapéu ou boné e muito protetor solar, já que por lá o calor é muito intenso.

Não deixe de comprar também um amuleto feito e abençoado por monges dos templos, os tailandeses compram vários (1 de cada templo) e penduram em um colar que usam para trazer proteção.

Amuleto que compramos

-

-

• Nosso roteiro pela Tailândia

 Dicas de Hospedagens pelo país

• Circulando por Bangkok

• Os lindos templos de Bangkok

• Bangkok além dos templos

• Curtindo a noite de Bangkok

• A antiga capital da Tailândia: Ayutthaya!

Tóquio II

Eu sei, eu sei estou me enrrolando para terminar os posts do Japão, mas é que é tanta coisa… andamos lá como nunca tínhamos andado em nenhuma viagem (e olha que é difícil superar esse nosso record…).

Uma das coisas que ouvia todo mundo falar (e achava super estranho, mas não poderia deixar de fazer) era ir ao Mercado de Peixes de Tsukiji. Lugar muito famoso pelos leilões de atuns gigantes que ocorrem todos os dias as 5:00 da manhã. Muitas pessoas vão para a balada no Roppongi e emendam para ver o leilão e depois tomar café da manhã comendo sushi fresquissímos em um dos muitosssss restaurantes pequenos que existem ali do lado.

Como tínhamos andado o dia inteiro e não iríamos aguentar uma balada que durasse a noite toda, resolvemos ir lá pelas 8:00; claro que não vimos o leilão mas chegamos a tempo de ver os diversos “peixeiros” cortando os atuns gigantes (e te digo são imensos mesmo). 

Cortando e embalando os atuns gigantes

Além dos atuns lá você encontra de tudo o que se refere a frutos do mar, camarões (de todos os tamanhos possíveis), peixes (de todas as espécies possíveis), lulas, polvos, ouriços, e etc … além de uma série de outros totalmente irreconhecíveis… e como estávamos sozinhos e por lá ninguém fala inglês ficamos sem saber mesmo. 

Frutos do mar diversos

É importante lembrar que o Mercado de Peixes, apesar de ser bem conhecido e estar em todos os guias turísticos, é o local de trabalho daquelas pessoas e muitos deles odeia que fiquem tirando fotos deles trabalhando ou de turistas enxeridos que nunca compram nada… portanto respeito e bom senso é fundamental. Sempre peça licença para tirar suas fotos (mímicas funcionam bem nessa hora) e cuidado nas “ruazinhas”, não fique no meio por que além de você atrapalhar o trânsito ainda corre o risco de ser atropelada por uma das várias empilhadeiras que andam por lá.

Bom… depois do passeio nada melhor do que um sushi em plena 9:30 da manha, seguindo para o lado direito existem váriosssssss restaurantes que servem os sushis super frescos (água na boca só de pensar), uns são super cheios e com filas enormes lá dentro… nós, como estávamos morrendo de fome e não queríamos nada lotado, optamos pelo que parecia mais limpo e com cara de comida boa… hehehe..

Café da Manhã

Enfim foi uma delicia… comemos muitoooooo sashimi… hummmm… o engraçado é que como o japonês não falava inglês íamos na base da mímica, hahaha… apontávamos o que queríamos em um cardápio com fotos. E muitos pelés, zicos e ronaldos depois, saimos satisfeitos enquanto a multidão ainda se aglomerava no restaurante famoso. 

Pertinho dali fica um dos bairros mais chiques e caros de Tóquio, GINZA. Lá é o lugar para se encontrar prédios novos e modernos além de todas as lojas de marcas possíveis.

Uma das ruas de Ginza

Uma das lojas mais visitadas pelos turistas e que tem um show room muito legal é o Sony Building. Eles fizeram uma loja totalmente interativa. Com os mais recentes lançamentos e com coisas também que ainda nem estão no mercado. Dá para passar horas lá dentro aproveitando o espaço. Os preços não são muito mais baratos não (lembre-se estamos em Tóquio, aqui nada é muito barato), mas a visita vale a pena com certeza.

Brincando na loja da Sony

Há poucos passos dali está também um teatro de Kabuki (teatro tradicional do Japão) este teatro ainda em arquitetura tradicional data de 1889 e os detalhes são espetaculares. É até impressionante aquele teatro ali, no meio de prédios super alto e modernos. Ainda existem teatros frequentemente ali.

Atualização: O lindo teatro Kabuki foi demolido no começo de maio/2010 para a construção de um arranha-céu, onde o mesmo terá um espaço no primeiro andar. Deixo aqui registrado que acho realmente lamentável já que a identidade cultural

Teatro Kabuki-ka

Seguimos de lá para o bairro mais jovem, trendy e cool de Tóquio, Harajuku. É lá que se encontra com mais facilidade aqueles jovens com roupas estranhissimas. E é lá na Takeshita-dori (uma rua cheia de lojas de roupas que sempre fica lotada de jovens) que se encontra as coisas mais bizarras da moda. Essa rua fica do ladinho do Yoyogi Park e na frente da estação de trem.

Takeshita-dori lotada de jovens

Caso a moda de Harajuku seja demais para você, nada melhor do que parar em muitos dos cafés, bares e restaurantes que existem por lá e aproveitar e fazer um “people-watching”. Engraçado demais o jeito que as meninas e meninos se vestem, agem e etc. Mas se o seu interesse for compras mesmo, logo depois de você percorrer todo o beco, ali estão as maiores lojas “fast fashion” como H&M e Zara com uma moda mais acidental digamos assim. Ali sim os preços são bons. 

Bem pertinho dali fica o templo Meiji. Esse templo fica numa região super movimenta de Harajuku (aliás esse é um dos bairros mais movimentados por lá) e bem no meio de todo aquele centro comercial, confusão e pessoas de terno correndo de cima para baixo existe o Jardim Nai-en, uma área totalmente verde, onde as árvores são tão grandes que cobrem o céu e fica praticamente impossível ver os prédios altos dali.

Entrada do Templo Meiji

É simplesmente lindo e “peaceful” fomos passeando e aproveitando o caminho (e olha que é longo o caminho), cheio de árvores. No meio do caminho tem uma casa de chá onde é possível dar uma paradinha, com direito a banheiros (não se preocupe que é limpo, como tudo no Japão) e lojinha de souvenirs. É tão calmo que nem os barulhos de carros e da civilização se escuta. 

No final do parque está o um torii imenso que dá entrada ao templo de Meiji, o mais importante santuário xintoísta do Japão e feito todo de madeira.

O torii de entrada e o templo Meiji ao fundo

Lugar de orações

E finalmente o bairro mais movimentado de Tóquio: SHIBUYA. É lá onde tem o famoso cruzamento de Shibuya que fica logo na saída da estação de trem. Considerado o maior cruzamento do mundo, milhares de pessoas passam por lá em um único dia. Durante o dia é movimentado, mas é durante a noite que a coisa ferve; em volta desse cruzamento fica as grandes lojas como a OIOI (a melhor loja de departamento que achei por lá, ótimo para comprar meias-calça, lenços, luvas e etc) e diversas outras lojas de tudo que é tipo.

Cruzamento de Shibuya

Por lá é aquele que mais pode, cartazes com propagandas, pessoas anunciando em microfones para todos os lados (ainda não entendi como se entendem), placas em neon (típico de japonês) e telões imensos.

Além disso é por ali que todos os jovens se encontram durante a noite. Sim, ali na frente da estação de trem e ao lado do maior cruzamento do mundo que existe o famoso Hachiko; a estátua do cachorro que foi eternizado por ficar no mesmo lugar (no lado de fora da estação) esperando o seu dono chegar do trabalho, e ele continuou mesmo depois que o dono morreu; virando um caso de sucesso na época. Após a morte do cachorrinho o mesmo foi eternizado e virou o ponto de encontro dos jovens durante a noite.

Ao cruzar, feche o olho e siga a galera. haha. Sim… as pessoas andam cada uma para um lado praticamente se batendo, tudo bem confuso, mas sabe aquele ditado “na minha bagunça eu me entendo”? Então eles se entendem e tudo recomeça quando o sinal se abre novamente.

Enfim o Japão com certeza foi uma das viagens que vão marcar na nossa memória turística e com certeza temos várias histórias tudo devido a imensa distância entre hábitos e costumes. Mas com certeza inesquecível.

Osaka (Região de Minami)

Osaka é uma daquelas cidades perfeitas para servir de base para conhecer outras cidades no Japão.

Principalmente com a existência do trem bala e do ticket JR pass facilita e muito a vida do turista!!!


Alguns dos lugares que se pode fazer bate e volta a partir de Osaka (A, no mapa) são:

- Kobe (B)

- Nara (C)

- Himeji (D): lá está o maior e mais bonito castelo do Japão, aparentemente o mais visitado também. Para ir você pode pegar o mesmo shinkansen que vai para Hiroshima, ele passa por lá antes.

- Hiroshima (E): apesar de meio longe e ser um pouco cansativa a viagem da para fazer tranquilamente como bate e volta. Veja aqui.

Kyoto também pode servir de base para as mesmas cidades e além disso você pode fazer a partir de Kyoto 1 dia em Osaka sem problemas… poré reserve bastante dias para isso… pois Kyoto é necessário pelo menos 3 dias inteirinhos… lá tem muitas atrações e templos para se visitar… e acredite você vai querer conhecer a maioria deles.

A única viagem que tive tempo para fazer dessas foi Hiroshima, infelizmente, por que  dizem que Nara e Kobe são muito lindas. Mas eu queria conhecer um pouco da cidade de Osaka em si também…. Em um dia você consegue ver tudo o que Osaka tem de melhor… Sim… não é uma cidade com MUITOS atrativos como Kyoto mas com certeza é uma cidade que deve ser visitada.

Osaka é dividida por 2 rios, formando duas partes: Minami e Kita. Começamos pela parte sul ou Minami que fazem parte Shinbashi e Namba.

Chegamos a noite e já queriamos conhecer a mais agitada avenida a noite… convenientemente descobrimos que nosso hotel ficava a menos de 2 quadras do agito. 

A rua Dotombori é cheia de restaurantes, bares e com muitas lojas, além de muitos PACHINKOS que são os cassinos de lá (aliás que vivem cheios seja dia ou noite). A noite a agitação é intensa e é incrível ver a quantidade de pessoas que circulam por lá ao mesmo tempo; boa parte da rua é inclusive coberta. A vista é daquelas que cinema, com muitas placas iluminadas e neons… chega até a ser um pouco poluida.

As ruas de Dotombori e seus neons

Escodidinho por entre as ruelas e becos da área de Dotombori está o pequenino mas muito simpático templo HOZEN-JI. Uma graça de templo, quando chegamos lá tinham várias pessoas rezando e jogando água na deusa, prática muito comum dos adoradores, um símbolo de purificação. Aquele beco do templo, chamado de Hōzen-ji Yokochō também tem vários restaurantes legais. Aliás naquela região as últimas das preocupações é descobrir aonde jantar, pois o que não faltam são restaurantes, de todos os tipos, comidas e gostos.

O pequenino e simpático templo de Hogen-ji

Mais um detalhe

No dia seguinte para começar a explorar em si a cidade… resolvemos ir a um dos templos budistas mais antigos do Japão. Esse templo é composto por vários prédios e mesmo nenhum deles sendo original ainda permanece a sua beleza, templo Shitennoji.

Diferente de Kyoto onde os templos estão lotados de turistas, os prédios são mais bonitos, com jardins maravilhosos e cultivados minuciosamente; são colírios para os olhos.. e apesar de ter sim japonses a maioria ainda são turistas.

Naverdade os templos de Osaka e de Tokyo servem para observar as pessoas rezando e vendo um pouco do cotidiano religioso dos japoneses; não possui muita coisa para fazer e interessante fora isso não. São lugares para reza mesmo. Na verdade nesse templo tinha muito pouco turista, a maioria estava lá ascendendo incensos para seus budas, jogando água nas estátuas, escrevendo pedidos em tabuletas e em papéis que estavam sendo jogadas na água como uma forma de purificação. O interessante é mesmo ver esse movimento de pessoas, japoneses em seus rituais espirituais.

 Templo Shitennoji


Um dos altares do templo

 De lá seguimos para o Castelo de Osaka!!!! Dizem que o castelo mais bonito do Japão fica em Himeji…e que perto deste o castelo de Osaka não é nada…mas vou lhe contar achei LINDO o castelo de Osaka… rodeado por um parque delicioso, com estádio de atletismo, muita árvores deliciosas para um piknik e até um templo lindinho (Hokoku -jinja shrine).

O castelo fica bem no centro, com direito a fosso e tudo,um parque delicioso e lá dentro é um museu contando toda a história do Japão e de como Osaka foi importante, já que mesmo que brevemente Osaka foi a primeira capital do Japão.

Osaka-jo

Quando finalmente se chega lá o passeio começa pelo último andar (o 8º andar) de lá se tem uma vista incrível de toda a cidade… e como o castelo fica bem no alto e ainda tem um terraço 360º você pode ver realmente toda a cidade… 

Vista do 8º andar do castelo

E então conforme vai descendo os andares vai vendo realmente o museu… das guerras, dos xogunatos, dos imperadores e etc…

Ali pertinho também tem muitos restaurantes (na verdade achei um pouco pega turista..)