Bom para terminar os posts sobre Fiji vou escrever um pouquinho sobre as ilhas. Falei tanto sobre Mamanucas e Yasawas e acho que nem expliquei direitinho.

Fiji é, na verdade, uma arquipélago formado por aproximadamente 300 ilhas. Portanto escolher apenas 1 ilha é uma tarefa praticamente impossível. Pois o lugar é incrível e cada ilha tem seu atrativo específico.

Nas minhas pesquisas descobri que essas ilhas estão divididas em grupos e que o mais famoso e acesso mais fácil são as ilhas do grupo Mamanucas. Isso por que suas ilhas são as mais perto, mais fácil e mais rápido de chegar a partir de Nadi. E provavelmente você chegará em Fiji por Nadi.

A partir dali descobri também um segundo grupo: Yasawas. Aparentemente bem mais longe do que as Mamanucas porém ainda é o grupo mais fácil de se chegar após estar nas Mamanucas.

Por que não ficar apenas nas ilhas do grupo Mamanucas? Acredite o grupo Yasawas são ilhas muitoooo mais bonitas, com uma cor de água simplesmente inacreditável (e isso é visível já no ferry indo para lá) com praias muito mais bem preservados, um clima muito mais rústico e simples e menos turístico e com o principal atrativo: BLUE LAGOON (sim! foi lá mesmo onde foi gravado o filme A Lagoa Azul). Que é simplesmente maravilhoso.

Então resolvemos arriscar e ir até lá. É bem mais longe mesmo (de Malolo até Nanuya são 5 horas em um ferry) mas realmente o lugar é muito mais bonito do que qualquer ilha das Mamanucas.

Mamanucas:

Nas Mamanucas fiquei em Malolo Island Resort. O hotel é incrível, o quarto maravilhoso, os amenities todos de coco e produzido ali mesmo, a comida uma delícia (aqui vale um parenteses, a gente se acostuma a ir para o Nordeste – praia- e querer comer lagosta, camarão; infelizmente por lá os frutos do mar não são as especialidades, vá por mim), a cor do mar linda!!! É um resort mais caro porém com toda a estrutura necessária.

Por lá é possível fazer passeios para fazer snorkel em outras barreiras de corais, passeios para alimentar peixes, passeios de caiaques, jet skis, e uma série de esportes aquáticos. Na verdade para fazer snorkel nem é preciso sair muito longe não. Os corais estão ali pertinho a praticamente 10 passos, basta cair na água… uma delícia.

Um passeio bem legal (pena que não fiz para ilustrar com fotos) é ir até a ilha inabitada de Tokoriki. É um passeio de um dia que passa por várias ilhas (na verdade achei essa a desvantagem pois as ilhas do passeio não são tão interesantes) onde se para nessa ilha onde Tom Hanks gravou Náufrago. Dizem que o lugar é o paraíso na Terra.

O por do sol em Malolo é outro espetáculo, foi o mais lindo que já vi, nos 2 dias que estive por lá foram incríveis.

Além de Malolo achei Mana incrível, Vomo (apesar de ser mais longe), Amanucas… Enfim todas são lindas e tem atrativos como a ilha de Manta Ray tem mergulhos frequentes com as arraias Mantas Rays e etc.

Yasawas:

As Yasawas são mais incríveis ainda, porém bem mais longe. Escolhemos um hotel que fica no maior atrativo do grupo: a Lagoa Azul. Esse grupo de ilhas por serem menos desconhecidas e mais longe do continente são bem menos turísticas e por isso bem mais preservadas, por isso só torna bem mais interessante.

O hotel foi o Nanuya Island Resort; apesar do hotel ser bem mais simples que o Malolo, mais rústico o atendimento foi excepcional, todos chamavam a gente pelo nome e sempre muito simpáticos fazendo tudo o que pedíamos (antes de ir planejei todo o aniversário surpresa para meu marido e eles foram tão simpáticos e me ajudaram muito foi tudo espetacular), o mar de lá é muito mais bonito, o lugar é bem mais rústico e a natureza muito mais bem cuidado (em Malolo encontramos muito coral morto na praia, o lugar já foi bem mais impactado pelo turismo que as Yasawas sem dúvida).

Entre ficar o dia todo fazendo snorkel na beira da praia e encontrar peixes de diversas cores, estrelas do mar azuis, ostras se alimentando, todo tipo de coral bem na porta do seu quarto, você ainda pode fazer passeios para ver o por do sol, passar o dia em outros resorts, ou visitar a caverna do Blue Lagoon.

A caverna fica a 40 minutos de barco (sem coletes salva vidas… affff!) por águas que passavam pelo verde claríssimo até azul bem escuro, por ilhas isoladas e inabitadas, cena de filme mesmo. Até chegarmos em uma ilha linda e isolada com uma caverna incrível, gelada, funda, mas linda! Até que os nativos passaram por debaixo de uma pedra da caverna, dizendo que tinha uma segunda caverna e que tinhamos que ficar 10 segundos debaixo da água (para passar pela pedra) e seguir uma luz de lanterna que o nativo estava do outro lado, já que a segunda caverna é totalmente no escuro.

É obvio que na metade da explicação já tinha desistido, mas o marido com toda a coragem do mundo foi e disse que é realmente totalmente escura e que a passagem é agoniante mas que valeu a pena. Valer a pena mesmo já vale pelo passeio de barco. Sensacional.


Enfim, qualquer ilha que você escolha vai estar bem servido porém recomendo pelo menos uma ilha nas Yasawas como essencial.

  1. Lipe says:

    More,
    os posts ficaram demais..
    tudo bem explicadinho, tenho certeza de quem for e pesquisar por aqui vai se dar muito bem..
    só faltou uma coisa:
    a história do peixe assassino voador…heheheheheh

    Bjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>